segunda-feira

Neurociências e o Estresse

Estudos das Neurociências na área do Estresse, demonstram que nosso cérebro se assemelha a um computador de altíssima geração.
O cérebro comanda nosso corpo, e interage com ele e com o meio, se auto regulando permanentemente, para manter a estabilidade e garantir a sobrevivência.
Para se adaptar ao meio, muitas vezes hostil, o organismo desenvolve um mecanismo de defesa que esta centrado no cérebro e é disparado toda vez que o homem está diante de um perigo ou ameaça, como:
• competição no ambiente de trabalho,
• dificuldades de relacionamento,
• trânsito complicado nas grandes cidades,
• diferentes tipos de poluição,
• crise financeira,
• instabilidade de emprego,
• falta de moradia,
• assaltos etc...
Essas ameaças são freqüentes em nossas vidas e atualmente são mais fáceis de serem percebidas e compreendidas.  Entretanto, quando a resposta de luta-ou-fuga é prolongada e o indivíduo não pode passar à ação lutando ou fugindo, para livrar o organismo do estado de estresse, sua saúde é prejudicada.           O desequilíbrio contínuo criado pelo estresse, quando prolongado e inquebrantável, pode gerar sintomas psicológicos e físicos que, conseqüentemente, resultarão em doença. Para quem anda em ritmo acelerado a perda é em qualidade de vida. Então, você deixa de desfrutar do quotidiano, priva-se da capacidade de ter prazer nas pequenas coisas que compõem o seu dia-a-dia. Em longo prazo isto pode levar ao aparecimento de doenças como a depressão e outras.
É necessário efetuar uma transformação, garantir um fortalecimento para que menos coisas sejam percebidas como "ameaçadoras", economizar energias, emocional e orgânica, para utilizar em questões mais "interessantes" e produtivas para o mundo em que vivemos, melhorando assim, o gerenciamento do estresse e a qualidade de vida.


.

8 comentários:

viviani disse...

O fortalecimento e tudo mesmo...pois assim podemos ignorar as coisas que contribuem p/ nos tirar do foco, e passamos a dar mais valor as coisas simples da vida, sendo mais felizes, e menos rigidos com nos mesmos...ficamos mais humanos. :-)

Dra. Eni Peniche - Psicoterapeuta e Coach disse...

Sim viviani é isso mesmo...FLEXIBILIDADE e simplicidade...partindo daí, vamos longe!!!
Beijos

celia maria disse...

Dra. Eni, parabéns por mais este empreendimento. Foi muito bom o debate na rádio melodia.
Por favor, gostaria se possível fosse algum esclarecimento sobre "uma leve disfunção cerebral". é necessário tratamento inicial? é passível de transformar-se em algo mais sério, se não houver um acompanhamento de um neurologista? Se puder esclarecer algo a respeito, eu agradeceria. Bjs

Neli disse...

Realmente é um exercicio e tanto aprender a se transformar diante de tantos estresses da vida, conviver com comportamentos outros q tanto nos incomodam e estar prontos p o nosso dia a dia buscando outros interesses que nos façam bem!!!

Dra. Eni Peniche - Psicoterapeuta e Coach disse...

Neli, como vc diz. realmente é um treinamento...o mais importante é permanecer com atitude de coragem e perseverança, porque é difícil pra todas as pessoas, então, porque nem todos conseguem fazer esse gerenciamento? a diferença está na atitude diante das adversidades do dia a dia, e situações imprevisíveis...uma coisa podemos ter certeza, tudo passa e depois que passa e aprendemos coisas boas, é muito compensador!

Eni Peniche - Psicoterapeuta e Coach disse...

Prezada Célia, desculpe pela demora em responde-la. Não sei o que houve mas, só agora vi este comentário.
Quanto ao que vc perguntou, sobre a leve disfunçãoa cerebral, cho que deve sim ter acompanhamento médico especializado. Se viu logo no início, nada melhor que manter sobre controle, Não é?
Bjs e obrigado pelos elogios, vc é sempre simpática comigo.

Anônimo disse...

SOU DE SÃO GONÇALO, E SUA FA
PODE ALGUEM SERVIR A DEUS, CEM NUNCA ALGUEM TER FEITO APELO
TENHO ESTA DUVIDA
ABRAÇOS E PAZ

Eni Peniche - Psicóloga, Psicoterapeuta e Coach disse...

Imagino que você queira saber se pode alguém ser salvo sem nunca ter atendido um apelo para aceitar Jesus...deve ser isso!!!
Podemos ter esse encontro independentes de qualquer pessoa ou ...religiosidade, eu mesma conheci Jesus e a Bíblia em casa e nunca atendi nenhum apelo que alguem tenha feito e quando fui para uma igreja já cheguei me batizando!
E já se passaram mais de 20 anos...